PAI de Sonho

Sabe aquele sonho que podia ser escrito com S maiúsculo e letras em negrito, por ser simplesmente seu sonho mais querido, mais profundo?

Pois é, esse, de ter um PAI, sempre foi meu sonho “escondido”. PAI, para mim, é aquele cara que sabe rir solto, que tem defeitos, que é chato algumas vezes, que sempre tem uma palavra para fazer a gente refletir… Sim, meu “pai dos sonhos” também seria meio repressor de vez em quando, por pura vontade de me proteger das tristezas do mundo enquanto fosse possível.

PAI, nos meus sonhos, é o cara que, enquanto eu fosse criança, faria comigo brincadeiras brutas de menino, me olharia com os olhos cheios de orgulho partilhado, quando, ao me levar para pescar, fisgasse aquele peixe para o almoço, ou que esperaria meus comentários após o jogo de vôlei na praia com os amigos, ao qual eu, sua fã e crítica predileta, assistiria orgulhosa em saber que meu pai é um cara super cheio de energia.

Meu pai teria muitos amigos, que contariam boas histórias pessoais, me dando um exemplo natural de que a amizade é um valor maior, que deve ser cuidadosamente preservado.

Esse meu pai gostaria de saber algo da minha vida, sem me cobrar detalhes, pois esses são “coisas de mulher”… Estaria eventualmente preocupado com minhas amizades e amores, para que eu não tivesse influências distantes da educação correta que ele tanto insistiria em me dar. Sim, meu pai dos sonhos adoraria boa música, teria gosto pela cultura, me iniciaria a vida nas artes cênicas, se orgulharia do meu gosto pela literatura, me apoiaria em momentos dificílimos, como protetor, humano e compreensivo das fragilidades mundanas às quais todos nós estamos sujeitos.

Meu pai faria o possível para me conhecer de perto, as preferências, os gostos, o caráter, a malícia e a delícia arraigados em sua cria. Em meus sonhos, dividiríamos pequenos vícios na fase adulta, como o gosto pela boa comida ou a degustação de um destilado em torno de uma boa conversa franca.

Dividiríamos impressões do mundo, certos anseios, certos receios, bobagens e seriedades da vida, sempre com mútuo respeito. Meu pai seria o primeiro a me elogiar, o primeiro a me defender de qualquer coisa, inclusive de meus próprios erros (e depois me chamaria num canto e se desdobraria em conversas, me chamando à realidade responsável dos fatos). Meu pai choraria… derramaria umas lágrimas silenciosas, ao me ver cumprir alguns ritos de vida, menos por orgulho natural e muito por entender em mim uma continuidade sua, uma extensão de seus exemplos, valores e uma pequena vitória pelo amor que me doou.

Sim, sou uma menina sonhadora, enterrada numa mulher romântica e dura. Não fugi da mesmice feminina de enxergar no pai (primeira figura masculina) uma espécie de herói da vida, com muitas fragilidades e imensas particularidades que me fazem admirá-lo, amá-lo e aceitá-lo, como dificilmente serei capaz de fazer com outra figura masculina advinda dos dias viventes. Se, um dia, eu tivesse um filho, gostaria de ter escolhido como pai dele um homem assim… como idealizei MEU PAI.

Exatamente por ser assim, uma mulher que sonha e valoriza a família, venho prestar minha homenagem tímida, grata e amorosa a todos os homens que são PAIS de fato e que se orgulham disso. Saibam que, pareça ou não, vocês SÃO heróis e amigos queridos para suas crias.

Parabéns por esse diferencial, que só se faz com o coração.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s